Por José Macedo

Não queria comentar das faixas em inglês pedindo o impeachment de ministros do STF e intervenção no Congresso. Farei. Mas, en passant, afirmo que, essas incursões são estúpidas e de natureza golpistas. Assim fosse, o representante do executivo realizar o impeachment, sairia fora da democracia, que se sustenta na lei, na Constituição, seria uma ditadura e a maioria do povo não deseja ditadura. DITADURA NUNCA MAIS!

Ao contrário, ele que fala das “quatro linhas”, ele sai delas e pisa, com seus apoiadores, na Constituição, na lei e nas instituições.

O presidente perde, mais uma vez, a oportunidade para falar de nossa histórica e cívica data, o Bicentenário da independência do Brasil. Foi um discurso para o alimento da ignorância de seus apoiadores.

Acrescento: foi pleno de bizarrices e, enfatizo o desprezo às crianças, desrespeitando-as, beijando na boca da mulher, falando de “de que é imbrochável”, no clima criado do beijo na boca da mulher.

Meu filho de 11 anos perguntou: “Papa o que é imbrochável”. Falou de liberdade e de corrupção. Imaginemos, sendo um governo com tantas acusações de corrupção. Liberdade(? !), quando, ele ataca jornais e a jornalistas, sobremodo quando é questionado por mulheres jornalistas. Utilizou, assim, desse momento, que é cívico e histórico, para fazer um comício de sua campanha.

Eu me sinto envergonhado, como cidadão brasileiro. Tenho certeza de que a maioria dos brasileiros não aceita que, sua história seja tratada de modo chulo e rasteiro.

Enfim, o presidente subiu ao caminhão, acompanhado de sua mulher e de empresário investigado pelo STF, pra falar asneiras, em nome e celebração de uma das mais importantes datas da República e de nossa história.

O bicentenário de nossa Independência não foi celebrado.

JOSÉ MACEDO – Advogado, economista, jornalista e colunista do jornal Tribuna da Imprensa Livre.

Envie seu texto para mazola@tribunadaimprensalivre.com ou siro.darlan@tribunadaimprensalivre.com


PATROCÍNIO


Tribuna recomenda!