Por Miranda Sá

“O exemplo é a escola da humanidade e só nela os homens poderão aprender” (Edmund Burke)

Como observador da vida, mais científico do que filosófico, Einstein escreveu que “o exemplo não é uma maneira de ensinar, é a única maneira de ensinar”. Esta afirmação nos leva a pesquisar e avaliar o peso do exemplo como avaliação de honestidade.

O verbete “Exemplo” é um substantivo masculino de origem latina, “exemplum,i”,  ‘cópia, reprodução, traslado’. Dicionários citam Exemplo como uma frase ou palavra usada como reforço à uma definição, o que pode ou deve ser imitado. Modelo.

Para valorizar um exemplo capaz de influenciar pessoas levando-as a adotar a cultura da honestidade e conquistar a confiança dos que o cercam, leva-nos à milenar sabedoria árabe e sua notável coleção de contos na joia da literatura oriental, as “Mil e Uma Noites”.

Uma das proverbiais histórias ali encontradas narra a passagem de um príncipe que para suceder ao sultão, seu pai, deveria estar casado. Como uma rainha não pode ser qualquer uma, e além da beleza e da virtude deve ser educada, formava-se uma comissão de notáveis para selecionar mulheres e submete-las à aprovação do futuro rei.

Escolhidas em diversas províncias, seis jovens foram levadas ao palácio real, onde receberam presentes e a oportunidade de indicar alguém de sua vontade para compor o conselho real.  Cinco delas aceitaram as joias oferecidas e indicaram nomes para o importante cargo junto ao trono; uma delas, porém, se recusou a receber os regalos oferecidos e negou-se a gozar o privilégio de designar um conselheiro do reino.

A rebeldia da moça causou estranheza dos cortesões e irritou o Príncipe que a condenou ao degredo; mas antes exigiu-lhe que dissesse qual o motivo de desprezar os antigos costumes enjeitando os presentes e declinando da escolha do conselheiro. Já estando presa pelos eunucos, ela levantou a cabeça com altivez e disse: – “Fiz, meu Senhor, aquilo que deve ser o exemplo para a sua futura esposa: rejeitei as ofertas para não ficar em dívida com alguém, e jamais indicaria um conselheiro sem antes combinar com o meu marido”.

Diante disto, o Príncipe ordenou que os guardas soltassem a pretendente e levassem as outras candidatas de volta para suas casas. Sentiu no seu íntimo a sabedoria e a honestidade daquela que deveria ser a sua consorte e mãe dos seus filhos….

Este conto reflete no espelho do exemplo de quem deve ser a esposa de um governante e me parece que muitas pelo mundo afora nem freiam seus maridos e algumas até participam em prováveis corridas para o mal.

Agora mesmo nas investigações publicadas pelos “Pandora Papers”, encontramos oito chefes de Estado e de Governo; e para nos revoltar, os dois homens que controlam a nossa economia, Paulo Guedes e Roberto Campos Neto estãona lista…. O capitão Bolsonaro, com mentalidade de baixo clero, não está, se conforma com as “rachadinhas”.

É riquíssima a sinonímia de Exemplo. Arquétipo, bitola, cânone, espelho, molde, modelo, padrão e paradigma. Quando estudamos a História do Brasil e nos preocupamos com o futuro da nossa Pátria, projetamos o exemplo que acumulamos ao longo do tempo; e vemos que infelizmente a chamada “classe política” nada aprendeu com o passado.

E o grande Confúcio deixou a todos nós uma inolvidável lição:  “Quando encontramos pessoas de valor, devemos pensar em como podemos ser iguais a elas. Quando, ao contrário, encontramos pessoas sem caráter, devemos nos voltar para o nosso interior e examinar o que se passa lá dentro”.

Ao ocupar o poder, a melhor maneira de um governante disciplinar e conduzir uma Nação é pelo exemplo pessoal. No Brasil, tristemente, ele não recebe (ou recusa) conselhos na passagem nesta maligna pandemia: tornou-se um indivíduo cuja mente é bi polarizada entre a imaturidade e a obsessão psicopática.

O exemplo do capitão Bolsonaro é negativo: imprime insegurança ao subestimar o perigo letal do novo coronavírus, desdenhando dos cuidados para evita-lo e negando a imunização pela vacina. Preferiu acolher drogas e tratamentos ineficazes, baixando como um espírito do mal no terreiro do curandeirismo, dos feijões mágicos e dos intermediários da Morte.

E o pior de tudo: o negacionismo lucrativo acobertou vigaristas no Ministério da Saúde.

MIRANDA SÁ – Jornalista profissional, blogueiro, colunista e diretor executivo do jornal Tribuna da Imprensa Livre; Trabalhou em alguns dos principais veículos de comunicação do país como a Editora Abril, as Organizações Globo e o Jornal Correio da Manhã; Recebeu dezenas de prêmios em função da sua atividade na imprensa, como o Esso e o Profissionais do Ano, da Rede Globo.


Tribuna recomenda!