Redação

O Tribunal Regional Federal da 2.ª Região (TRF-2), no Rio de Janeiro, derrubou nesta segunda-feira, 20, a decisão que suspendeu a nomeação de Larissa Rodrigues Peixoto Dutra para a presidência do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e determinou seu afastamento das funções.

A ordem é do desembargador Theophilo Antonio Miguel Filho, responsável pela presidência do tribunal no plantão Judiciário. Ele considerou que a falta de um dirigente no Iphan poderia causar ‘inegáveis prejuízos a` atividades administrativas e às políticas públicas de competência da autarquia’. O desembargador analisou um recurso apresentado no sábado, 18, pela Advocacia-Geral da União (AGU).

“Essa decisão, portanto, tem potencialidade de causar grave lesão à ordem administrativa”, escreveu. “O afastamento abrupto como realizado neste caso, a partir de uma fala isolada de uma gestora pública, sem qualquer início de prova dos vícios apontados, além de violar o princípio do contraditório, gera grave insegurança social e jurídica e coloca em risco o desempenho de políticas públicas conduzidas por relevante instituição pública”, segue o desembargador.

O afastamento havia sido determinado pela juíza Mariana Tomaz da Cunha, da 28.ª Vara Federal do Rio de Janeiro, a pedido do Ministério Público Federal. O órgão move uma ação em que acusa desvio de finalidade na nomeação de Larissa. O caso é antigo, corre na Justiça desde o ano passado, mas ganhou novo fôlego depois que o presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou que trocou o comando do Iphan para atender ao empresário bolsonarista Luciano Hang, dono da rede de lojas Havan, depois que ele teve uma obra interditada pelo instituto.

A escolha da turismóloga, casada com um dos seguranças do presidente na campanha de 2018, vem sendo contestada desde a sua nomeação. Isso porque ela tem graduação em Turismo e não possui qualquer experiência anterior na área de patrimônio histórico. Entidades de arquitetos e urbanistas chegaram a lançar um manifesto para repudiar a indicação por falta de requisitos técnicos para o cargo. Ela já havia sido impedida de assumir o cargo, mas a liminar também foi cassada quando chegou ao TRF-2.

Fonte: Agenda do Poder


AGENDA

Dia 22 de dezembro, quarta-feira, a loja de vinhos IPANEMA WINE BAR realiza o lançamento de “Crônicas Subversivas”, do historiador Lincoln de Abreu Penna, colunista e membro do Conselho Editorial do jornal Tribuna da Imprensa Livre. O livro é um apanhado de crônicas e pequenos ensaios cuja maioria foi publicada aqui na Tribuna da Imprensa Livre. “Os princípios da legalidade e da soberania nacional marcaram a minha geração, voltada para o culto dos valores democráticos e libertários”, destaca o autor. O lançamento acontece às 19h e haverá bate-papo com o autor. A IPANEMA WINE BAR fica na Rua Gomes Carneiro, 132, loja 112 em Ipanema, Rio de Janeiro. Contatos: (21) 3798-1169 / 97614-6144 / 98846-5176 / ipanemawinebar@gmail.com

Tribuna recomenda!

NOTA DO EDITOR: Quem conhece o professor Ricardo Cravo Albin, autor do recém lançado “Pandemia e Pandemônio” sabe bem que desde o ano passado ele vêm escrevendo dezenas de textos, todos publicados aqui na coluna, alertando para os riscos da desobediência civil e do insultuoso desprezo de multidões de pessoas a contrariar normas de higiene sanitária apregoadas com veemência por tantas autoridades responsáveis. Sabe também da máxima que apregoa: “entre a economia e uma vida, jamais deveria haver dúvida: a vida, sempre e sempre o ser humano, feito à imagem de Deus” (Daniel Mazola). Crédito: Iluska Lopes/Tribuna da Imprensa Livre.