Categorias

Blog Post

A Resistência da Democracia brasileira – por Michelle Meneses
Colunistas, Política

A Resistência da Democracia brasileira – por Michelle Meneses 

Por Michelle Meneses 

Com a aproximação das Eleições em outubro, Jair Bolsonaro, cada vez mais insiste nos ataques ao sistema eleitoral brasileiro.

Nas últimas semanas, o embate entre Bolsonaro e o Poder Judiciário cresceu e tomou um caminho sem volta para qualquer tipo de diálogo. A paciência dos Ministros das altas cortes do país, especialmente STF e TSE está esgotada.

O decreto da Graça, um tipo de perdão presidencial concedido ao Deputado Federal Daniel Silveira, condenado pelo STF à 8 anos e 9 meses em regime fechado por  ameaçar as instituições democráticas, foi o estopim para a relação entre Bolsonaro e a mais alta corte do país azedar de vez!

Mesmo sendo uma prerrogativa do Presidente, tal perdão judicial a um condenado por crimes contra a Democracia, soou aos ouvidos dos Ministros do STF como uma provocação e afronta a uma decisão judicial.

Bolsonaro, reúne todos os adjetivos para um péssimo Governante, mas ele é “esperto”, e com essa manobra política/judicial, conseguiu colocar o STF numa posição desconfortável, quase de mãos atadas diante do caso do Deputado Bolsonarista Daniel Silveira, um sujeito metido à valentão e com um passado nebuloso na Polícia Militar do Rio de Janeiro.

Sabemos que Bolsonaro ameaça diuturnamente às instituições democráticas, colocando em risco a estabilidade política do país.

Faltando menos de cinco meses para o primeiro turno das Eleições Presidenciais, Bolsonaro ataca, ofende, insulta e coloca em dúvida todo o sistema eleitoral brasileiro. É bom recordar que ele mesmo e seus três filhos políticos, foram eleitos pelas urnas eletrônicas, e nunca colocaram em dúvida a lisura e confiança no processo eleitoral.

Com medo de sofrer uma derrota acachapante já no primeiro turno das Eleições, Bolsonaro segue na sua cruzada Antidemocrática e contra o processo eleitoral.

“Falsas acusações de fraude podem minar a confiança pública em eleições – e quando cidadãos não confiam no processo eleitoral, muitas vezes perdem a fé na própria democracia.” (Como as Democracias Morrem)

Sabemos que o Governo Bolsonaro é um fracasso em todas as áreas, não há um indicador positivo nesse Governo, pelo contrário, estamos vivendo a maior alta da inflação dos últimos 25 anos, preços dos combustíveis e gás de cozinha descontrolados, forte desemprego, a queda do poder de compra do trabalhador, miséria e fome, estão dentre tantos outros fatores negativos.
A política econômica do atual Governo é totalmente equivocada, não existem investimentos estrangeiros, a indústria não se desenvolve e o comércio está estagnado.

O Brasil parou de crescer no Governo Bolsonaro.

Quando se fala em política social, não existe um fator positivo, o pouco que tínhamos foi destruído ou retirado pelo Governo Bolsonaro.

Todo Governo com viés Autoritário nutre um desprezo pela cultura, políticas públicas sociais, ciência e educação.

O Brasil de Bolsonaro é hoje terra arrasada, uma nação irrelevante no cenário Internacional e isolada das questões mundiais.

Bolsonaro representa o atraso econômico e social, com o discurso de  “Pátria, Honra e Família “, ele encobre o desastre do seu Governo.

O povo brasileiro segue em meio a esse cenário de horror, ainda tentando sobreviver ao rastro de mortes e sequelas deixadas pela Covid19.

Não podemos jamais esquecer que Bolsonaro foi o Pior Governante do mundo na condução da Pandemia do Coronavirus.

Manifestação anti-Bolsonaro. (Crédito: Henrique Rodrigues/Revista Fórum)

A posse de Bolsonaro em Janeiro de 2019 foi o marco do retrocesso social, econômico e político do Brasil, voltamos à patamares nesses quesitos de 30/40 anos atrás; é notório que sofreremos por muito tempo as consequências de um Governo incompetente e de um Presidente incapaz e ruim.

Sem nada de positivo para apresentar como vitrine do seu desastroso governo; Bolsonaro segue na sua Narrativa de desconstrução da Política brasileira, atacando com argumentos sem fundamentos todo nosso sistema eleitoral.

Bolsonaro tenta desesperadamente se reeleger e se agarra ao Poder da Presidência da República, como tábua de salvação para si e para seus filhos, pois, diante de tantos desmandos, atos Antidemocráticos e crimes cometidos ao longo de seu Governo, certamente, eles responderão à justiça num futuro próximo.

Bolsonaro, nunca escondeu da população brasileira, que é um homem preconceituoso, misógino, perigoso e entusiasta de regimes Autoritários. Em sua medíocre e longa passagem pela Câmara dos Deputados, ele nunca teve prestígio, nunca foi relator de Lei ou fez parte de qualquer comissão importante da Casa; era conhecido por ser um Deputado da turma do ” fundão ” do plenário, sem qualquer relevância para a política brasileira.

Bolsonaro só era notícia quando atacava colegas parlamentares, jornalistas e quando desfilava com torturadores pela  Câmara dos Deputados.

Bolsonaro nunca teve apreço pela Democracia, e nesse momento de fragilidade, estando em segundo lugar nas pesquisas eleitorais, atacar reiteradamente o processo eleitoral é a única forma para desestabilizar o cenário político, e levar o país à convulsão social.

“Autocratas eleitos mantêm um verniz de democracia enquanto corroem a sua essência.” (Como as Democracias Morrem)

Bolsonaro não esconde que sonha com o Golpe e o desejo em se tornar um Autocrata.

Viver em uma Democracia, respeitar o Ordenamento Jurídico, conviver em harmonia com os Poderes da República e manter o funcionamento das instituições no Estado Democrático de Direito, é o mínimo que esperamos do  Presidente da República.

Bolsonaro nunca teve a grandeza para exercer o cargo de Presidente.

Bolsonaro nunca teve a serenidade e capacidade para ser Presidente.

Bolsonaro não gosta das pessoas, nunca visitou um Hospital durante a Pandemia e jamais se mostrou solidário ao sofrimento do povo brasileiro.

Bolsonaro nunca teve os atributos necessários para respeitar e honrar a liturgia do cargo de Presidente da República.

Bolsonaro é sem sombra de dúvida, o maior e mais grave erro da história brasileira.

Erros podem e devem ser reparados, e a Eleição de 2022 será o momento ideal para que Bolsonaro seja removido do cargo, tudo feito democraticamente e de acordo com as leis brasileiras.

A Democracia brasileira vai resistir!

P.S. Recomendo a leitura do excelente livro “Como as Democracias Morrem” (Steven Levitsky e Daniel Ziblatt) para compreender e refletir sobre o processo de deterioração da Democracia em alguns países, inclusive no Brasil.

MICHELLE MENESES – Advogada, Cientista Política, Escritora, Mãe de 4 filhos e colunista do jornal Tribuna da Imprensa Livre.


Tribuna recomenda!

Related posts

Deixe uma resposta

Required fields are marked *